Tag

saúde

Browsing

O quanto você se preocupa em exercitar o cérebro?

De acordo com várias pesquisas, está provado que realizar exercícios específicos colabora muito para a melhora das habilidades cognitivas e aumento do foco mental.

E sim, fazer atividade física e palavras-cruzadas também entram nessas dicas diárias.

Para se ter uma ideia, um estudo da Universidade da Colúmbia Britânica, realizada por pesquisadores provou que o exercício aeróbico regular (os realizados na academia) aumenta o tamanho do hipocampo, a área do cérebro envolvida na memória verbal e no aprendizado.

Engana-se quem pensa que os exercícios de resistência, equilíbrio e tonificação muscular fazem diferença nesse órgão. Então valorize também os aeróbicos.

O  neurocientista norte-americano, Larry Katz, autor do livro “Mantenha seu Cérebro Vivo”, foi ainda mais longe. Ele criou uma ginástica específica para esse órgão do sistema nervoso. É a chamada neuróbica.

A grande sacada aqui é acreditar realmente que fazer algo diferente do que executamos de maneira mecânica ajuda a melhorar a nossa concentração e memória.

Katz defende nessa teoria, inverter a ordem de alguns movimentos comuns do nosso dia a dia, ou seja, fazer algo incomum que explora os nossos 5 sentidos: a visão, o olfato, o paladar, a audição e o tato.

Entre os exercícios estão o de ler ao contrário e ouvir Mozart inalando o cheiro de lavanda. Loucura né?

Listo abaixo, algumas técnicas que de acordo com o neurocientista te ajudará a turbinar e deixar o cérebro mais ágil:

Faça uma nova atividade de lazer

Mude a sua rotina de atividades – Natação, ciclismo, corrida por Yoga, futebol, enfim, algo que faça o seu cérebro ter novas ações cognitivas.

Monte frases

Pegue o texto de um livro e se desafie a montar uma frase diferente utilizando as mesmas palavras.

Leia uma nova revista ou site

Faça da Internet e da banca de jornais um aliado – Pesquise assuntos diferentes do que está acostumado a ler ou assistir.

Treino com quebra-cabeça

Brinque de quebra-cabeça usando um cronometro para saber quanto tempo levou para vencer o desafio. Seja rápido no raciocínio.

Mexa seus pés

Viva a experiência de mexer os dedos dos pés antes de sair da cama pela manhã. Escolha os sapatos que você usará nesse dia. Acredite, os seus pés possuem receptores que se conectam e estimulam o cérebro.

Escovar os dentes com a mão não dominante

Troque a sua mão dominante e ajude a vencer também o mal de Alzheimer.

Atividades às cegas

Olha que experiência interessante essa – Já pensou em vestir sua roupa ou lavar a louça de olhos fechados? Esse desafio é muito bom par o cérebro.

Leia ao contrário

Katz defende que a técnica de ler ou ver fotos de cabeça para baixo concentrando-se em detalhes nos quais nunca tinha reparado é uma forma de estimular a capacidade cerebral.

E não se julgue se não conseguir realizar os desafios acima, você pode caminhar. Sim, os pesquisadores defendem que andar a pé é talvez um dos exercícios mais eficazes que surtem em um efeito completo ao corpo. Do seu cérebro aos dedos dos pés, tudo é afetado por alguns minutos de caminhada regular.

Então, bora exercitar o cérebro?

Até a próxima!!

 

Uma doença que acomete aproximadamente 30% dos mais de 100 milhões de trabalhadores brasileiros

Você já ouviu falar da síndrome de burnout?

Leia também

A pílula da felicidade é real

Depressão pode ser combatida com alimentação

Bem, se você trabalha em excesso, valoriza mais o seu tempo para as tarefas, atenção – essa síndrome é um distúrbio psíquico caracterizado pelo estado de tensão emocional e estresse provocados por condições de trabalho desgastantes.

A doença foi descrita no ano de 1974 por Freudenberger, um médico americano. Esse distúrbio psíquico acontece pelo desgaste profissional e está registrado no Grupo V da CID-10 (Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde).

A principal característica é o estado de tensão emocional e estresse crônicos provocado por condições de trabalho físicas, emocionais e psicológicas desgastantes. As pessoas mais atingidas são as que são exigidas em envolvimento interpessoal direto e intenso.

De acordo com os estudos, os profissionais das áreas de educação, saúde, assistência social, bombeiros, policiais, recursos humanos, agentes penitenciários e mulheres que enfrentam dupla jornada correm risco maior de desenvolver o transtorno.

SINTOMAS

O sintoma típico da síndrome de burnout é a sensação de esgotamento físico e emocional, o que resulta na falta ao trabalho, atitudes negativas, mudanças radicais no humor, isolamento, agressividade, dificuldade para se concentrar, irritabilidade, depressão, ansiedade, lapsos de memória e baixa autoestima.

Além disso, pode estar associada à síndrome, dor de cabeça, sudorese, palpitação, pressão alta, enxaqueca, cansaço, dores musculares, distúrbios gastrintestinais, insônia e crises de asma

DIAGNÓSTICO

O diagnóstico leva em conta o levantamento da história do paciente e seu envolvimento e realização pessoal no trabalho.

Respostas psicométricas a questionário baseado na Escala Likert também ajudam a estabelecer o diagnóstico.

TRATAMENTO

O tratamento da síndrome de burnout inclui o uso de antidepressivos e psicoterapia. Atividade física regular e exercícios de relaxamento também ajudam a controlar os sintomas.

RECOMENDAÇÕES

·         Avalie quanto as condições de trabalho estão interferindo em sua qualidade de vida e prejudicando sua saúde física e mental. Permita-se mudar a sua rotina para realizar melhor as atividades diárias e objetivos profissionais.

·         Pratique exercícios físicos na melhor hora do dia para você. Não dê desculpas pela falta de tempo. Viva a sua vida pessoal com intensidade. Lazer é fundamental. Acredite, mudar seu estilo de vida colabora para o tratamento da síndrome de burnout;

·         Consumir álcool em excesso é prejudicial. Isso sem falar de outras drogas para afastar as crises de ansiedade e depressão. Evite então os remédios.

·         Consulte um médico para o melhor tratamento

Até a próxima

A correria do dia a dia pode ser mais leve e com qualidade.

A meditação é um aliado importante nessa busca da saúde mental.

Leia também:

Depressão pode ser combatida com alimentação

Bicicleta também é transporte em São Paulo

O Curtyndo + fala de longevidade e de novas experiências. Tive o privilégio de conversar com um dos sócios da empresa MindSelf, Alexandre Ayres sobre essa excepcional ferramenta.

A entrevista, você confere no “De carona com Curty”, na próxima 2ªfeira às 11h no canal do YouTube. Aguardo você.

Entre as coisas que a meditação colabora é o sono. Sim, é possível e necessário ter um sono mais saudável. Tentar dormir oito horas é o melhor dos mundos. Hoje escrevo sobre isso.

Se você tem receio de achar que não nasceu para fazer a meditação, seja porque é agitado ou porque não tem paciência para respirar e inspirar, prepare-se para mudar. Acredite, as meditações desenvolvem condições internas que te ajudam a relaxar as tensões do corpo, tirar os mais variados pensamentos e consequentemente te fazer ter uma bela noite de sono.

É bem verdade que muitas das técnicas que tem como objetivo te acalmar ou focar no comportamento da mente, cria mudanças fisiológicas semelhantes àquelas que acontecem no corpo durante as primeiras fases do sono. Entre eles, o pulso diminui, a pressão arterial cai e os hormônios do estresse se dissolvem.

Vale a pena não desistir de tentar aprender a se acalmar, relaxar e ter a meditação como um aliado ao invés de uma obrigação. Experimente começar com apenas alguns minutos antes de dormir. Aos poucos você chegará sem perceber a 15 ou 20 minutos por dia.

Te apresento dois tipos de meditação para te fazer dormir melhor:

Meditação Mindfulness

A prática da meditação mindfulness (atenção plena) não poderia ser mais simples: Basta estar em um local tranquilo. Daí é focar apenas na sua respiração. É provável que sua mente comece a te fazer lembrar dos problemas e obrigações. Tudo bem, você consegue acredite, retornar para o momento presente. Respire profundamente por 5 minutos e perceberá um estado de total relaxamento.

Vale ressaltar que nesse tipo de meditação, a sua atenção também deve estar voltada a seu corpo, no caso deitado na sua cama, uma vez que o objetivo é te fazer dormir. Valorize um colchão macio, assim como o travesseiro, pois ajudará e muito.

Confira um guia básico da prática de meditação mindfulness:

·         Deite-se confortavelmente em sua cama.

·         Durante um minuto procure relaxar e tentar liberar mentalmente a tensão de seus músculos.

·         Feche os olhos e concentre-se apenas na sua respiração.

·         Mantenha uma mão no abdômen e no peito

·         Respire devagar contando até cinco segundos, depois segure por mais cinco segundos e então solte o ar por mais cinco segundos.

·         Se a mente insistir em te fazer pensar em algo, comece o processo que dura m torno de 5 ou 10 minutos ou até que consiga adormecer.

Meditação de concentração

Nesta meditação a sua atenção deverá ser focada em algo. Por exemplo, dizer “eu agradeço por mais um dia”.

Dicas para a meditação de concentração:

·         Encontre uma posição confortável, relaxe todos os músculos do corpo.

·         Tente respirar um pouco mais profundo do que o normal.

·   Um tipo de concentração pode ser imaginar um círculo branco com um contorno preto.  O importante é você não ficar excitado sim relaxado.

Espero que seu sono melhore a partir dessa experiência.

Até a próxima!!

Depressão é um mal do século e exige cuidados

Sim, depressão é uma doença muito perigosa e está presente em milhares de pessoas. Por mais que muitas das vezes, o indivíduo se recusa a aceitar o problema, vale se permitir conversar cm profissionais de saúde e buscar o equilíbrio.

Leia também:

Março amarelo é prova de amor ao seu animal

Pesquisa mostra que comer menos ajuda a viver mais

Normalmente o tratamento é feito com medicamentos e alguns fitoterápicos. O profissional saberá o que indicar, de acordo com a causa.

É importante que se diga que algumas mudanças de comportamento também colaboram para uma melhora. Controlar a ansiedade, que também é outra doença que está em evidência, adotar novos hábitos saudáveis, como meditação, atividades físicas, alimentação adequada, entre outras coisas que ajudam no bem-estar.

A alimentação pode ser um grave problema para a manutenção ou aumento da depressão – Por exemplo, os produtos como o açúcar podem ser prejudiciais e devem ser evitados – açúcar branco refinado é um deles. Ficar longe também de refrigerantes, sucos de frutas e xarope de milho também é fundamental.

Um dos motivos é que o açúcar contribui para o processo inflamatório do organismo e, consequentemente, também do cérebro. A inflamação cerebral pode chegar a 30% maior em pacientes com depressão.

Fora isso, aumentar o consumo desse ingrediente irá liberar insulina, o que resulta na queda rápida do açúcar do sangue.

Apresento algumas dicas de consumos para combater a depressão:

·         Comer frutas ao invés de consumi-las em sucos.

·         Troque a farinha branca pela integral ou a de castanha

·         Evite molhos de salada e catchup, pois possuem aspartame ou xarope de milho

·         Evite o consumo excessivo de bebida alcoólica

·         Beber bastante água

·         Evite molhos à base de soja, como shoyu

·         Evite alimentos processados, principalmente os enlatados. Um estudo com 3 mil pessoas na Inglaterra mostrou que aqueles que consumiam mais enlatados tinham maior índice de depressão, se comparado com o menor risco nas pessoas que ingeriam mais ingredientes integrais

·         Coma bastante grãos, cereais integrais, frutas, verduras, legumes, peixe, fibras

·         Evite gorduras trans, como batata frita, nuggets, frango frito

·         Produtos que são ricos em magnésio, complexo B, zinco e cobre, são importantes para produção de neurotransmissores (são componentes químicos cerebrais que transmitem sinais entre as células nervosas) e podem ajudar a evitar e melhorar depressão e ansiedade

·         Coma queijo, frango, amendoim e castanha de caju, ervilha, ovo e leite

·         Evite ao máximo os fast foods, as carnes vermelhas e processadas como salsicha, linguiças etc

·         Prefira os alimentos gorduros como abacate, azeite, castanhas e peixes. Estas ajudam na depressão e no humor

Até a próxima!!

COMER MENOS AUMENTA A EXPECTATIVA DE VIDA

Uma nova experiência alimentar pode ser um aliado a longevidade

Leia também:

O cacau é um alimento saudável e poderoso

A hortelã é uma aliada na recuperação das cartilagens

Você sabia que a redução do consumo calórico colabora na redução do metabolismo, o que resulta numa eficiência maior e possivelmente na desaceleração do processo de envelhecimento?

E não sou eu que afirmo isso. A psicóloga clínica Leanne Redman foi responsável por um estudo no Centro de Pesquisas Pennington Biomedical, em Baton Rouge.

Os resultados confirmaram a teoria de que comer menos aumenta a expectativa de vida e ainda faz com que o estresse oxidativo diminua (o envelhecimento causado pela ação de radicais livres).

O maior desafio do estudo, publicado no jornal científico Cell Metabolism, foi encontrar pessoas dispostas a reduzirem em até 25% a sua ingestão calórica.

Em um total de 53 indivíduos, 19 comeram seus pratos normais e 34 adotaram um regime alimentar de redução calórica por dois anos. Nenhum dos voluntários estava acima de seu peso ideal.

Apesar da dificuldade de comer 25% a menos por dois anos inteiros, Redman conta que o grupo foi empenhado. Os indivíduos que se alimentaram de menos calorias perderam em média 8,7KG em comparação ao grupo de controle que ganharam cerca de 1,8 kg em longo dos dois anos de monitoramento.

O objetivo da pesquisa era saber se a redução drástica de 25% nas calorias ingeridas afetaria o processo de envelhecimento das pessoas. O teste feito para essa resposta foi feita em 24 horas –  os voluntários ficaram em salas especiais que mediam sua taxa metabólica, analisaram o volume de oxigênio consumido e de gás carbônico expelido e como isso variou ao longo do tempo. Redman observou que, no grupo de redução calórica, o metabolismo desacelerou e se tornou mais eficiente.

É importante ressaltar que as conclusões do estudo não provam diretamente que a redução drástica de calorias ajuda as pessoas a viverem mais.

O que ficou provado é que a pressão sanguínea, o colesterol e o triglicérides foram reduzidos no grupo de restrição calórica – taxas altas desses indicadores podem levar a doenças que reduzem a expectativa de vida.

O que vale refletir e começar a cuidar é para que ao longo dos anos, se reduza o consumo de calorias, para manter mais ou menos o mesmo peso (a tendência do corpo humano é ganhar peso ao longo da vida, se a quantidade de alimentos ingeridos se mantiver).

E por que não aprendera ficar sem a carne por um dia, por exemplo. Experimente novos hábitos alimentares, quem sabe você não se acostuma e saia do industrial e excesso de gorduras?

Até a próxima!!

Mentir não pode ser a melhor solução

A mentira nem sempre é vista como um mal para quem a sustenta. Seja por insegurança, medo e simplesmente pelo prazer de achar que está em vantagem.

Leia também:

Concentração – melhore a sua através dos sons

Reflexão faz parte da nossa vida

O fato é que a mentira um dia é descoberta, ou seja, não se sustenta eternamente.

Os estudos mostram isso. Recentemente as revistas Superinteressante e Época Negócios provaram isso, através de abordagens aonde a mentira é um perigo à saúde, mesmo quando usada em benefício, como por exemplo, em uma partida de truco.

O estudo foi feito por uma equipe de psicólogos da Universidade de Notre Dame, nos Estados Unidos.

Foram dez semanas experimentando os efeitos da honestidade em uma pessoa. Os testes foram realizados em pouco mais de cem indivíduos com idades entre 18 e 71 anos.

Os pesquisadores orientarão a metade dessas pessoas a omitir verdades, evitar responder perguntas que pudessem ocasionar em mentiras e manter segredos. Era para fazer o que fosse necessário para não ter erros.

Já a outra metade do pesquisados, estavam livres para enganar, e todos eram examinados por polígrafos semanalmente.

De acordo com Anita Kelley, psicóloga que liderou o estudo, durante encontro da Associação Americana de Psicologia, as “Evidências recentes mostraram que os americanos mentem, em média, 11 vezes por semana.

Durante o período de estudo, a relação entre mentir menos e ter uma saúde melhor se mostrou significativamente maior nos participantes do grupo “honesto”. As pessoas honestas, em média, apresentaram quatro vezes menos queixas ligadas à saúde mental e três vezes menos reclamações sobre dores físicas.

Kelly afirmou que os participantes da equipe de honestos conseguiram reduzir o número de mentiras em torno da quinta semana de prática. O novo comportamento colaborou para que as relações próximas ficassem mais saudáveis, principalmente porque suas interações sociais se tornaram mais simples do que anteriormente.

As pessoas que foram orientadas a não mentir, contaram depois como fizeram para não cometer gafes. A maioria disse que conseguiu melhorar sua condição simplesmente contando a verdade, sem exagerar, ou explicando sem rodeios por que esteve atrasado ou não conseguiu cumprir tarefas, em vez de inventar desculpas.

O curioso é que quando a mentira era o caminho mais fácil, outra parte declarou que conseguiu contorná-la com alguns truques. Ao responder uma pergunta complicada, muitos conseguiram fugir delas fazendo outras perguntas, trocando de assunto ou sendo vago e até rindo, como se as questões fossem ridículas demais para serem respondidas.

O mais engraçado nessa pesquisa é que a principal razão das pessoas serem ótimas para mentir aos outros é que no fundo são boas para mentir a si mesmas.

Embora estejamos sempre prontos para acusar os outros de nos enganar, somos incrivelmente distraídos com nossa própria duplicidade.

As experiências que ficam gravadas, após passarmos por uma falsidade são ruins. Faça a sua escolha, e pense verdadeiramente que mentir só trará malefícios a nossa saúde.

Divido com você essa reflexão. Espero que goste e, se sim, que possa compartilhar em sua rede. Ótimo dia e até a próxima!

https://www.youtube.com/watch?v=C8k6VIdT5Ds

ViaMobilidade promove aula de Superioga na Estação Eucaliptos da Linha 5-Lilás

Para participar da ação no dia 23 de fevereiro, das 9h às 10h, basta levar o tapete de ioga

Leia também

Florais e seu papel na vida sexual

Reflexão faz pare da nossa vida

 A ViaMobilidade, concessionária responsável pela operação e manutenção da Linha 5-Lilás, promoverá no dia 23 de fevereiro, das 9h às 10h, aula gratuita de Superioga na área externa da Estação Eucaliptos.

 A ação tem o objetivo de promover a conscientização das pessoas sobre a importância dos cuidados com a saúde não apenas quando são acometidas por alguma doença, mas também no seu dia-a-dia.

Superioga, uma das novidades em termos de saúde e bem-estar, é um método de fortalecimento físico e mental com séries próprias, baseadas nos Asanas (posições do Yoga), com repetições alinhadas à respiração, que tem como prioridade trabalhar a força e o condicionamento físico que induzem o praticante à flexibilidade e à consciência corporal, além do poder de concentração. O método, que foi desenvolvido por Paulo Junqueira, mestre em Yoga e educador físico há mais de 25 anos, conta com mais de 150 instrutores no Brasil, Canadá, Itália e Japão.

Serviço:

Aula de Superioga

Data: 23/02/2019

Horário: Das 09h às 10h

Local: área externa da estação Eucaliptos

Endereço: Av. Ibirapuera, 3144

Sobre a ViaMobilidade:

A ViaMobilidade é a concessionária responsável pela operação e manutenção das linhas 5-Lilás de metrô e 17-Ouro de monotrilho em São Paulo. A Linha 5-Lilás é composta por 16 estações e atende a Zona Sul de São Paulo, de Capão Redondo a Chácara Klabin. Ela se integra ao Metrô na Estação Santa Cruz (Linha 1-Azul) e na Estação Chácara Klabin (Linha 2-Verde) e à CPTM (Linha 9-Esmeralda) na Estação Santo Amaro. Já a Linha 17-Ouro, quando concluída pelo Governo do Estado de São Paulo, terá oito paradas entre as estações Morumbi e Jardim Aeroporto, com integrações à Linha 5-Lilás, na futura Estação Campo Belo, e com a Linha 9-Esmeralda da CPTM, na Estação Morumbi.

 Até a próxima

A solidão é um péssimo aliado para quem busca uma longevidade saudável.

 

Leia Também

Mickey te aguarda em shopping de São Paulo

A depressão está cada vez mais presente na sociedade

Ficar sozinho às vezes é bom e faz bem para refletir no que ocorre com nossa vida, porém ter isso como uma rotina, é algo que poderá trazer consequências ruins para o corpo e a mente no decorrer dos anos.

É bem verdade que existem os que defendem a máxima do “antes só do que mal acompanhado”. E sim, a maioria defende que estar ao lado de amigos é o que vale a pena.

A vida proporciona essa experiência de várias maneiras – amigos de infância, amigos de estudos, amigos que se conheceram em viagens, no trabalho, por acaso e por aí vai.

Eu prefiro viver a máxima de que “quem tem amigo, nunca está sozinho”.  É claro que deve se ter muito cuidado em saber quem realmente merece a chancela de ser chamado ou escolhido como amigo. Como tudo na vida existem as decepções.

De qualquer maneira, insisto que vale viver experiências e cultivar cada vez mais o círculo de contatos.

Confira algumas dessas vantagens:

Corpo mais resistente a problemas de saúde

Pesquisadores da Universidade de Chicago, nos EUA, identificaram que as pessoas que vivem sozinhas ao longo da vida são mais inseguras, sofrem de depressão, insônias e com o estresse.

Já o Journal of the American Medical Association, traça a relação entre solidão e o risco maior de ter doença de Alzheimer. Então bora viver em comunidade.

Sentimentos divididos

Dividir experiências, pensamentos e comportamentos são fundamentais para uma longevidade feliz. Ter pessoas ao lado que se possa compartilhar segredos, opiniões e empatia é um privilégio que deve ser valorizado.

Rir para curar

É sabido que a risada ajuda a melhorar tudo em nosso organismo. Rir dos erros, das besteiras, enfim, se possível de tudo traz a felicidade para si e para quem está perto.

Alegria como reforça um estudo da Universidade de Califórnia e de Harvard, nos EUA, contagia. E isso é multiplicador: Otimismo e generosidade traz para perto pessoas que buscam o mesmo comportamento.

Amizade contribui para a longevidade

Ter amigos por perto aumenta em 50% a chance de você viver mais. Quem afirma são os pesquisadores da Brigham Young University, nos EUA. Foi constatado que as pessoas que se isolam da sociedade prejudicam a sua caminhada para a vida longa, é como se fumassem todos os dias, fossem alcoólatras ou obesos.

O coração agradece

Amar ao próximo contagia e acelera os batimentos cardíacos. Pessoas normalmente felizes, entusiasmadas e satisfeitas têm menos chance de serem depressivas e apresentam um risco 22% menor de ter infarto ou desenvolver doenças cardíacas.

Então, bora manter a amizade em dia e aproveitar os benefícios para alcançar a longevidade de maneira mais saudável e feliz.

Até a próxima!!

Kaspersky Password Manager

 

Crie uma senha forte para sua conta

Kaspersky Password Manager

Crie uma senha forte para sua conta

Todo cuidado é pouco com os remédios que se consome

Leia Também:

Controle a sua alimentação com um diário

Conheça alguns benefícios do café

Aspirina, omeprazol e diurético podem causar câncer e diabetes

Estudo apontou 29% de chances de desenvolvimento das doenças

Um dos maiores problemas do ser-humano é o consumo de produtos em excesso. A ansiedade e a depressão são responsáveis pelo exagero em bebidas, alimentos e as drogas de diversos tipos.

Assim, quando esse exagero se trata de droga, isso é ainda pior. Claro que existem casos que o remédio, como o nome mesmo diz, é fundamental para amenizar ou realmente curar a patologia existente, amenizar dores e salvar vidas.

O que é certo é que devemos nos atentar aos tipos de remédios que consumimos, como revela um estudo dinamarquês, publicado na revista científica “Journal of the American Academy of Dermatology”.

Resultados constataram que medicamentos clássicos como aspirina, hidroclorotiazida (HCT, diurético usado contra hipertensão), estatinas e omeprazol colaboram para o desenvolvimento de câncer e diabetes.

O uso de hidroclorotiazida, aliás, está associado à maior incidência de alguns tipos específicos da enfermidade.

A pesquisa analisou 80 mil indivíduos com câncer entre o período de 2004 e 2012 e também 1,5 milhão de indivíduos que não obtiveram a doença.

A conclusão final foi que há uma chance até 29% maior de incidência para carcinoma de célula basal e até três vezes maior para o carcinoma de células escamosas.

De acordo com a OMS (Organização Mundial da Saúde), os cânceres de pele afetam 165 mil pessoas e matam cerca de 2 mil pessoas ao ano no Brasil.

Vamos cuidar da nossa saúde e buscar recursos naturais e práticas mais saudáveis, afinal, desta maneira chegaremos à longevidade de maneira plena. Consulte as várias dicas de mudanças de hábitos na Internet e também com eu médico de confiança.

Até a próxima!!

 

 

 

Kaspersky Password Manager

Crie uma senha forte para sua conta

Viver uma nova experiência colabora para a longevidade

Leia também:

Controle sua alimentação com um diário

A história de Fernanda Creazzo

A vida é corrida e com o passar dos anos, muitos pensam que já passaram da fase de fazer isso ou aquilo ou aprender algo novo. Ora, isso é pura besteira.  A vida é curta e as oportunidades quando aparecem , devem ser aproveitadas e vividas em sua essência.

E por isso, hoje divido com você, essa ótima entrevista par o quadro ” De Carona com Curty” realizada com o mestre cervejeiro João Meisen. Você descobrirá como ele se tornou um mestre da cerveja artesanal e também como poderá fazer a sua própria cerveja.

Vamos nessa? Se você não curte cerveja, compartilhe com quem gosta. A cerveja tem muitas vantagens para a sua saúde e está presente nas comemorações. Seja nos churrascos,  nos aniversários, após os esportes, no dia a dia, enfim, engana-se quem pensa que essa deliciosa bebida não tem benefícios.

Abaixo, listo apenas algumas para você avaliar se vale a pena ou não criar o hábito e claro, sempre com moderação e sem pegar o carro para dirigir, após o consumo, óbvio.

  • Menor risco de sofrer doenças cardíacas
  • O teor de silício presente na cerveja, ajuda no combate ao mal de Alzheimer
  • O consumo leve e moderado do álcool da cerveja pode aumentar à sensibilidade a insulina, ajudando no combate ao Diabetes, tipo2
  • Mantém os níveis de colesterol estável
  • Ossos mais fortes, sobretudo no quadril
  • Um ou dois copos por dia fortalece o sistema imunológico

https://www.youtube.com/watch?v=zqmfyfBFQiI

Saúde e até a próxima!!

Kaspersky Password Manager

 

Crie uma senha forte para sua conta

Kaspersky Password Manager

Crie uma senha forte para sua conta