Tag

depressão

Browsing

Uma doença que acomete aproximadamente 30% dos mais de 100 milhões de trabalhadores brasileiros

Você já ouviu falar da síndrome de burnout?

Leia também

A pílula da felicidade é real

Depressão pode ser combatida com alimentação

Bem, se você trabalha em excesso, valoriza mais o seu tempo para as tarefas, atenção – essa síndrome é um distúrbio psíquico caracterizado pelo estado de tensão emocional e estresse provocados por condições de trabalho desgastantes.

A doença foi descrita no ano de 1974 por Freudenberger, um médico americano. Esse distúrbio psíquico acontece pelo desgaste profissional e está registrado no Grupo V da CID-10 (Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde).

A principal característica é o estado de tensão emocional e estresse crônicos provocado por condições de trabalho físicas, emocionais e psicológicas desgastantes. As pessoas mais atingidas são as que são exigidas em envolvimento interpessoal direto e intenso.

De acordo com os estudos, os profissionais das áreas de educação, saúde, assistência social, bombeiros, policiais, recursos humanos, agentes penitenciários e mulheres que enfrentam dupla jornada correm risco maior de desenvolver o transtorno.

SINTOMAS

O sintoma típico da síndrome de burnout é a sensação de esgotamento físico e emocional, o que resulta na falta ao trabalho, atitudes negativas, mudanças radicais no humor, isolamento, agressividade, dificuldade para se concentrar, irritabilidade, depressão, ansiedade, lapsos de memória e baixa autoestima.

Além disso, pode estar associada à síndrome, dor de cabeça, sudorese, palpitação, pressão alta, enxaqueca, cansaço, dores musculares, distúrbios gastrintestinais, insônia e crises de asma

DIAGNÓSTICO

O diagnóstico leva em conta o levantamento da história do paciente e seu envolvimento e realização pessoal no trabalho.

Respostas psicométricas a questionário baseado na Escala Likert também ajudam a estabelecer o diagnóstico.

TRATAMENTO

O tratamento da síndrome de burnout inclui o uso de antidepressivos e psicoterapia. Atividade física regular e exercícios de relaxamento também ajudam a controlar os sintomas.

RECOMENDAÇÕES

·         Avalie quanto as condições de trabalho estão interferindo em sua qualidade de vida e prejudicando sua saúde física e mental. Permita-se mudar a sua rotina para realizar melhor as atividades diárias e objetivos profissionais.

·         Pratique exercícios físicos na melhor hora do dia para você. Não dê desculpas pela falta de tempo. Viva a sua vida pessoal com intensidade. Lazer é fundamental. Acredite, mudar seu estilo de vida colabora para o tratamento da síndrome de burnout;

·         Consumir álcool em excesso é prejudicial. Isso sem falar de outras drogas para afastar as crises de ansiedade e depressão. Evite então os remédios.

·         Consulte um médico para o melhor tratamento

Até a próxima

Depressão é um mal do século e exige cuidados

Sim, depressão é uma doença muito perigosa e está presente em milhares de pessoas. Por mais que muitas das vezes, o indivíduo se recusa a aceitar o problema, vale se permitir conversar cm profissionais de saúde e buscar o equilíbrio.

Leia também:

Março amarelo é prova de amor ao seu animal

Pesquisa mostra que comer menos ajuda a viver mais

Normalmente o tratamento é feito com medicamentos e alguns fitoterápicos. O profissional saberá o que indicar, de acordo com a causa.

É importante que se diga que algumas mudanças de comportamento também colaboram para uma melhora. Controlar a ansiedade, que também é outra doença que está em evidência, adotar novos hábitos saudáveis, como meditação, atividades físicas, alimentação adequada, entre outras coisas que ajudam no bem-estar.

A alimentação pode ser um grave problema para a manutenção ou aumento da depressão – Por exemplo, os produtos como o açúcar podem ser prejudiciais e devem ser evitados – açúcar branco refinado é um deles. Ficar longe também de refrigerantes, sucos de frutas e xarope de milho também é fundamental.

Um dos motivos é que o açúcar contribui para o processo inflamatório do organismo e, consequentemente, também do cérebro. A inflamação cerebral pode chegar a 30% maior em pacientes com depressão.

Fora isso, aumentar o consumo desse ingrediente irá liberar insulina, o que resulta na queda rápida do açúcar do sangue.

Apresento algumas dicas de consumos para combater a depressão:

·         Comer frutas ao invés de consumi-las em sucos.

·         Troque a farinha branca pela integral ou a de castanha

·         Evite molhos de salada e catchup, pois possuem aspartame ou xarope de milho

·         Evite o consumo excessivo de bebida alcoólica

·         Beber bastante água

·         Evite molhos à base de soja, como shoyu

·         Evite alimentos processados, principalmente os enlatados. Um estudo com 3 mil pessoas na Inglaterra mostrou que aqueles que consumiam mais enlatados tinham maior índice de depressão, se comparado com o menor risco nas pessoas que ingeriam mais ingredientes integrais

·         Coma bastante grãos, cereais integrais, frutas, verduras, legumes, peixe, fibras

·         Evite gorduras trans, como batata frita, nuggets, frango frito

·         Produtos que são ricos em magnésio, complexo B, zinco e cobre, são importantes para produção de neurotransmissores (são componentes químicos cerebrais que transmitem sinais entre as células nervosas) e podem ajudar a evitar e melhorar depressão e ansiedade

·         Coma queijo, frango, amendoim e castanha de caju, ervilha, ovo e leite

·         Evite ao máximo os fast foods, as carnes vermelhas e processadas como salsicha, linguiças etc

·         Prefira os alimentos gorduros como abacate, azeite, castanhas e peixes. Estas ajudam na depressão e no humor

Até a próxima!!

UMA VIDA MAIS LEVE AJUDA COMBATER A DOENÇA

Leia Também:

O melhor remédio é ficar sem remédio

Controle a sua alimentação com um diário

O Brasil anda sente a dor pela morte de Ricardo Eugenio Boechat. A comoção deve se manter por muito tempo. É verdade que o grande jornalista não era uma unanimidade, só que é verdade também, que mesmo os que o detestavam, hoje reconhecem o legado importante que ele deixou não apenas no jornalismo.

 A postura ética, a coragem de falar o que pensava, a preocupação primária pelo ouvinte, no qual se colocava sempre em seu lugar, são algumas dessas riquezas deixadas.

 Agora, quando falamos em bem-estar no mundo atual, nem mesmo os heróis ou os mais fortes resistem a doença do século. Sim, a depressão é algo que há muito tempo está em evidência na sociedade.

 O próprio Boechat assumiu ter passado pelo desafio de ver esse mal. E atire a primeira pedra quem não passou ou talvez nem saiba que é depressivo.

 E vamos ter calma. Ficar triste é normal e não é considerado depressão, mesmo quando esse comportamento se estenda por dias. A doença não escolhe sexo e nem idade para dar as caras.

 Essas são algumas causas da doença:

  • Perder o emprego,
  • Fim de um relacionamento
  • Falecimento de um parente ou amigo
  • Baixa-estima
  • Desinteresse nas atividades diárias

Então, fique atento ao seu comportamento e acredite, as possíveis causas incluem uma combinação de origens biológicas, psicológicas e sociais de angústia.

 Chegar nesse nível de estado nos resulta em mudanças na função cerebral, incluindo alteração na atividade de determinados circuitos neuronais no cérebro.

 A sensação persistente de tristeza ou perda de interesse podem alterar o sono, apetite, nível de energia, concentração, comportamento diário ou autoestima.

 No pior estágio, a depressão está ligada a pensamentos suicidas.

 E ainda bem que esse mal também tem cura.

  • Medicamentos, psicoterapia ou mesmo a combinação dos dois poderão ser recomendados pelo profissional de saúde.
  • Dependendo do estágio, os tratamentos podem levar semanas para fazer efeito.
  • Mudanças no estilo de vida como praticar mais atividade física e diminuir o consumo de bebidas alcoólicas colaboram para a melhora
  •  Mudar alguns hábitos – Um profissional de saúde é fundamenta para observar os sintomas por alguns dias.

Por mais desafiador que seja, avalie se não vale a pena respirar melhor, perdoar, agradecer e fazer o que tiver vontade sem medo de ser feliz. A vida é curta e não permite ensaios.

Seja o protagonista de sua história e vida.

 Vamos juntos alcançar a longevidade e viver novas experiências.

 Até a próxima!

Kaspersky Password Manager

 

Crie uma senha forte para sua conta

Kaspersky Password Manager

Crie uma senha forte para sua conta

O mau humor causa doenças e afasta as pessoas

Leia também:

Lugar de mulher é na oficina

Alguns cuidados para manter a sua voz saudável

É muito comum ouvir de pessoas de nosso convívio que devemos ter paciência. Claro, é mais fácil olhar para o outro do que para nós mesmos.

O fato é que a paciência é uma virtude que deve sim ser trabalhada em excesso, mesmo sabendo que nem sempre será possível e muito menos comum darmos aquela estressada.

Todo mundo teve ou tem aquele estado de mau humor, seja quando acorda, durante o dia e pior, que faz questão de conviver assim.

Esse é o X da questão – se esse estado for algo permanente, pode ter certeza que o indivíduo está doente. Essa doença se chama distimia.

De acordo com os psiquiatras, a distimia vai além do mau humor, entra na questão da depressão de quadro leve e crônica se for um caso de pelo menos dois anos em adultos.

Então vale a pena prestar atenção –  Se sentir que está em uma fase depressiva, esse será o estado de seu humor. Já nas crianças e adolescentes, o humor deprimido pode dar lugar à irritabilidade, com duração mínima de 1 ano.

Confira os outros sintomas da distimia:

–  apetite diminuído ou em excesso

– baixa energia ou fadiga

– dificuldade de concentração, indecisão e desesperança

– baixa autoestima

– insônia ou muito sono

Se atente a esses sintomas e perceba como está a sua vida pessoal, escolar ou profissional. Se entender que seu humo interfere nas relações pessoais, procure um especialista no assunto.

A distimia também é conhecida como mau humor crônico e tem cura – Tratamento através de sessões de psicoterapia ou de psicanálise e antidepressivos.

Agora calma, não se precipite. De repente os sintomas que você têm atualmente sejam apenas de mau humor comum. Desta maneira, você consegue tratar da seguinte maneira:

Durma bem

Está mais do que provado que dormir oito horas é essencial para controlar o estresse e o seu humor.  Basta analisar como você fica quando dorme pouco ou muito. Pouco a chance de estresse é maior. Muito, a sensação de bem-estar se faz presente.

Pratique atividades físicas

As atividades físicas ajudam e muito na melhora do humor. Suar faz bem para a saúde e previne doenças, sejam elas físicas ou mentais.

Fabricar as endorfinas trazem sensações de otimismo e satisfação. O exercício também faz o corpo reduzir a atividade de hormônios como adrenalina e cortisol, que promovem sentimentos de ansiedade e tensão.

Melhore a sua alimentação

Alimentar-se bem e com critério também colabora para o bom humor. Faça o teste. Se permita mudar a sua dieta.

O seu organismo vai agradecer e a depressão passará longe de sua vida.

Busque o que te dá prazer

Ficar somente atento as suas tarefas diárias, esquecer da família, amigos e de momentos de relaxamento como ler, viajar, ir aos parques, shows, cinema, etc vai te adoecer.

Se dê um tempo no dia – 30’ a 1 hora que seja, ajudará e muito.

E sim, se entender que está com um comportamento diferente do que gostaria, busque ajuda de um profissional. Solte aquilo que te incomoda e viva plenamente.

Até a próxima!!

Kaspersky Password Manager

Crie uma senha forte para sua conta